Suposições para 2014

30/01/2009
brasil2014

Depois de algumas certezas, já é possível ter uma ideia de como será, geograficamente, a Copa de 2014 no Brasil.

 Joseph Blatter confirmou ontem, em comunicado à imprensa no Palácio dos Bandeirantes, o que Ricardo Teixeira e o governo brasileiro tanto queriam: a Copa de 2014 terá 12 sedes.

Sendo assim, cinco das 17 candidatas – que começam a ser vistoriadas pelo comitê da Fifa amanhã, iniciando por São Paulo – serão descartadas. Eis as cidades que concorrem para ser sedes do Mundial do Brasil (em negrito as prováveis escolhidas, na minha opinião):

N: Manaus, Belém, Rio Branco

NE: Salvador, Recife, Fortaleza, Natal

CO: Cuiabá, Campo Grande, Goiânia

DF: Brasília

SE: São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte

S: Porto Alegre, Curitiba, Florianópolis

São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Brasília, Porto Alegre e Salvador não têm como ficar de fora e já estão praticamente asseguradas.

Recife e Curitiba têm grandes chances.

Com a confirmação feita hoje pelo Ministro dos Esportes Orlando Silva de que as sedes “Amazônia” e “Pantanal” estão garantidas, Manaus e Cuiabá – que conta com a forte influência política do Governador Blairo Maggi – largam na frente em relação a Rio Branco e Campo Grande, respectivamente.

Fortaleza e Belém são puros palpites.

A abertura no Morumbi e a final no Maracanã também são fatos quase consumados.

Avançando ainda mais neste exercício de “futurologia”, me propus a especular como seria distribuída toda a Copa de 2014 com base no que foi a Copa de 2006, na Alemanha, que também contou com 12 sedes:

Fase de grupos

Cada cidade recebe 4 jogos

Oitavas-de-final

2006: Munique, Leipzig, Stuttgart, Nuremberg, Kaiserslautern, Colônia, Dortmund e Hannover

2014: São Paulo, Curitiba, Recife, Manaus, Cuiabá, Fortaleza, Porto Alegre e Belém

Quartas-de-final

2006: Berlim, Hamburgo, Gelsenkirchen e Frankfurt

2014: Rio de Janeiro, Salvador, Belo Horizonte e Brasília

Semifinais

2006: Dortmund e Munique

2014: Porto Alegre e São Paulo

Disputa do 3º lugar

2006: Stuttgart

2014: Recife

Final

2006: Berlim

2014: Rio de Janeiro

Nada garantido o que está escrito acima. Apenas suposições.

Só espero que outras suposições – bem mais fortes que essas – (atrasos nas obras, desvios de verba, superfaturamentos, futuros “elefantes brancos” e por aí vai…) não se realizem.

Morumbi, devidamente reformado, deverá ser o palco da abertura

Morumbi, devidamente reformado, deverá ser o palco da abertura


Idas e vindas de fim de janela

28/01/2009

Começo de fevereiro é o período limite para transferências no futebol europeu. Com o tempo acabando, as especulações aumentam.

Trocando de camisa?

Trocando de camisa?

* Agger esquecido: O defensor dinamarquês reclama da falta de interesse da diretoria do Liverpool em discutir a renovação de seu contrato, que se encerra em junho. A primeira e última oferta por parte dos Reds – rejeitada por Agger – foi feita há quase três meses. Desde então, nem sinal de fumaça para informar o zagueiro, que está preocupado:  “Eu não ouço falar de renovação desde o início de novembro. Para ser honesto, não há razão para eu ser otimista. Não tenho a mínima idéia se eles querem fazer um novo contrato comigo”. O Milan, que, especula-se, já teria feito uma proposta – recusada pelo Liverpool – de € 8 milhões no começo da janela, surge como principal interessado no dinamarquês de 24 anos, peça que seria fundamental no “rejuvenescimento” da zaga rossonera ao lado de Thiago Silva.

* Rumo à Inglaterra? Fred está oficialmente liberado pelo Lyon para procurar um novo clube. Como já frustrou os interesses de Palmeiras e Fluminense ao declarar não querer voltar ao Brasil, o centroavante pode estar de malas prontas para o futebol inglês. O destino mais provável, segundo o Daily Mail, é o Tottenham – atual 16º colocado da Premier League pelos critérios de desempate, já que está empatado em pontos na lanterna com mais quatro times. Os Spurs emprestariam o mexicano ex-futuro super-craque do Barcelona, Giovanni dos Santos – fortíssimo candidato a “eterna promessa” – em troca da liberação imediata de Fred, que tem contrato com seu atual clube até o meio do ano. Outros interessados no brasileiro, de acordo com o periódico britânico, são o Everton e o Stoke City.

"Humpf... Não quero mais brincar"

"Humpf... Não quero mais brincar"

* Sem ambiente: Christian Panucci, ídolo da Roma, pode estar de saída do clube da capital italiana. Barrado do elenco e brigado com o técnico Luciano Spalletti por se recusar a incorporar o banco de reservas nos jogos contra Napoli no último domingo – 3 a 0 Roma – e Palermo nesta quarta, o lateral-direito explodiu uma crise interna na Giallorossa. Sobre os recentes acontecimentos e evidenciando o ambiente completamente desfavorável à permanência do jogador de 35 anos, o diretor esportivo Daniele Prade declarou, por meio de um comunicado, que o comportamento do jogador foi “contrário aos valores da equipe” e “desrespeitoso a companheiros, clube, treinador e torcida”. O provável destino de Panucci é o futebol francês.

* The Puma? O Portsmouth está muito perto de contratar o experiente volante Emerson, do Milan. Pelo menos é o que garante o site Goal.com. O rubro-negro de Milão vê nesta a última oportunidade de lucrar com o veterano meio-campista titular da Seleção Brasileira na Copa de 2006. O Puma – como é conhecido na Itália – deve ser vendido por qualquer valor perto de € 1,5 milhão.


Não tem jeito

23/01/2009

corinthians5022

Corinthians 2 x 2 Barueri foi mais uma prova inquestionável de que camisa ainda vale muito no futebol

Depois de Kaká recusar a fortuna do City, do Barça virar incrivelmente contra o Osasuna há algumas semanas e do Chelsea perder a final da Champions 07-08 para o United quando tinha o jogo nas mãos – e esses são apenas os exemplos que me vêm à cabeça agora – o jogo de hoje no Pacaembu mostrou novamente o valor incalculável da tradição.

Ao contrário de sábado contra o Estudiantes, Douglas não apareceu hoje no Pacaembu

Ao contrário de sábado contra o Estudiantes, Douglas não apareceu hoje no Pacaembu

O Barueri exibia um futebol, sob o ponto de vista tático, digno de prêmio a seus três treinadores e anulava o Corinthians de todas as formas. Jogadas pelas laterais eram sistematicamente rejeitadas, Elias era bem marcado e Douglas desapareceu, o que fez com que Souza e Jorge Henrique praticamente não participassem do jogo, a não ser quando voltavam para ajudar a defesa. Os contra-ataques da equipe do interior eram sempre perigosos, sendo que um deles deu origem à abertura do placar por parte do bom centroavante Pedrão – ligeiramente impedido no lance.
O segundo tempo, apesar da tentativa de Mano Menezes de abrir o time com a entrada de Eduardo Ramos no lugar do afobado Túlio, começou da mesma forma que o primeiro até Chicão subir de maneira atabalhoada, derrubar Leanderson na área, ver Pedrão marcar seu segundo gol cobrando pênalti e fazer o desespero de sua equipe aumentar.

Wellington Saci, substituto do vaiado Douglas e jogando fora de posição – meia-direita (?!) -, não surtiu muito efeito. O Barueri passou a ter maior posse da bola e começou a “cozinhar” o jogo. Até que entrou em cena a infalível tradição.

Escanteio muito mal cobrado por Saci, Elias pega a sobra e joga de qualquer jeito para dentro da área. William vai de cabeça, fura e cai ao lado do pé esticado de um jogador do Barueri. Pênalti – muito duvidoso – marcado e o Corinthians diminui aos 38 com Chicão.

É Gol! Foi, foi, foi, foi ela! A Camisa!

É Gol! Foi, foi, foi, foi ela! A Camisa!

Pronto. Era o que bastava para o poder da camisa surtir efeito. A torcida se inflama e o Barueri, assustado, se desorganiza, transformando o até então eficientíssimo 4-3-2-1 em um ferrolho medroso. Mano percebe, saca Elias e coloca Otacílio Neto para jogar pelas pontas. O atacante vai à linha de fundo, se livra de um adversário e cruza para Jorge Henrique empatar aos 43.

E o estrago que a tradição pode causar só não foi completamente consumado porque Renê fez milagre em cabeçada de Souza aos 47.

A impressão que fica depois de um jogo desses é de que ainda vai demorar muito para os petrodólares conseguirem se equiparar ao valor de uma camisa.

Ainda bem.


Tem toda a razão

19/01/2009

internacional5022sao-paulo5011

Defensor do Internacional Bolívar classifica o seu time, junto com o São Paulo, como o melhor elenco do Brasil

E não falou nehuma besteira. Longe disso.

É, Bolivar... Tô de pleno acordo.

É, Bolívar... Também concordo

Ambos os clubes mantiveram todos os titulares – à exceção de Edinho pelo Inter – e se reforçaram onde mais precisavam. Ou seja, times que já eram bons – tanto que foram campeões – na temporada passada, ganharam ainda mais opções.

Senão, vejamos:

Provável Inter para a temporada (e não para a estreia no Gauchão) : Lauro; Bolívar, Índio, Álvaro e Kléber; Sandro, Magrão e Guiñazu; D’Alessandro e Alex; Nilmar.

Banco: GOL: Clemer, Agenor e Muriel / LD: Arilton / ZAG: Danny Morais, Sorondo, Danilo Silva,  Marcão (tb LE) / LE: Marcelo Cordeiro, Gustavo Nery / MC: Paulinho, Glaydson, Rosinei, Giuliano, Taison (tb ATC) / ATC: Talles, Walter, Leandrão, Alecsandro (se chegar).

Provável São Paulo para a temporada (e não para a estreia no Paulistão): Rogério Ceni; Rodrigo, André Dias e Miranda; Zé Luís, Jean, Hernanes, Arouca e Jorge Wagner; Borges e Washington.

Banco: GOL: Bosco, Fabiano / LD: Wagner Diniz, Joílson / ZAG: Anderson, Renato Silva, Aislan / LE: Júnior César / MC: Eduardo Costa, Richarlyson, Hugo, Oscar / ATC: Dagoberto, André Lima.

E isso são apenas suposições de times titulares, já que é bem possível – e até recomendável – que tricolores e colorados realizem um rodízio de jogadores conforme a importância das competições e jogos ou ao levar em conta a parte física de seus atletas. Nesse quesito, creio que o Inter leva vantagem em relação à quantidade e o São Paulo em relação à qualidade.

Ainda por cima, os dois times estão bem na Copinha – aliás, se enfrentam na terça, pelas quartas-de-final – e podem aproveitar alguns bons valores que nela despontam, como Marquinhos e Forster pelo Inter e Bruno Formigoni, Wellington e Henrique pelo São Paulo. Além destes, há ainda aqueles acima de dezoito anos que, no Inter, chegaram a ser aproveitados em alguns jogos do Brasileiro passado e, no São Paulo, serão emprestados ao Toledo para a disputa do Campeonato Paranaense.

Indiscutivelmente um patamar acima dos demais – ao menos na teoria – os campeões brasileiro e da Sul-Americana têm tudo para brigar pela hegemonia do futebol nacional em 2009.

Pena que o Inter não está na Libertadores e que, muito provavelmente, os times já não serão mais os mesmos depois da janela do meio do ano…


Veterano x Novato

19/01/2009

nfl-logo

O pentacampeão Pittsburgh Steelers enfrentará o estreante Arizona Cardinals no Super Bowl

Philadelphia Eagles 25 x 32 Arizona Cardinals – NFC

Baltimore Ravens 14 x 23 Pittsburgh Steelers – AFC

Esses foram os placares das duas finais de conferência disputadas hoje e que concederam aos times mandantes um lugar no Super Bowl XLIII, a ser disputado em Tampa no dia 1º de fevereiro.

O 'Diabo da Tasmânia' vai...

O 'Diabo da Tasmânia' vai...

A principal curiosidade em relação ao jogo de daqui há duas semanas fica por conta da quebra garantida de um tabu.

Se os ‘Ferreiros de Pittsburgh’  ganharem, irão se tornar o time com o maior número de Super Bowls conquistados – seis. Um a mais que San Francisco 49ers e Dallas Cowboys, que atualmente dividem o recorde de cinco títulos com os Steelers.

... à caça de Fitzy no Super Bowl!

... à caça de Fitzy no Super Bowl!

Em contrapartida, os estreantes em Super Bowl Cardinals – que já quebraram esse tabu – buscam mais um feito inédito: a conquista de seu primeiro troféu Vince Lombardi. Os ‘Cardeais do Arizona’, que em 110 anos de história  já foram também de Chicago e Saint Louis, orgulham-se de ser a primeira franquia de futebol americano profissional dos Estados Unidos. Porém, em todo esse tempo, conquistaram apenas dois títulos da NFL, em 1925 e 1947, quando ainda nem havia o Super Bowl. Em 43 anos de jogo final, foram apenas cinco aparições nos playoffs, contando a atual.

O que promete ser uma partidaça em Tampa, além da disparidade em relação à experiência, também terá como característica outra antítese entre os finalistas: a incrível defesa dos Steelers, comandada pelo elétrico SS Troy Palomalu e que hoje concedeu apenas 198 jardas ao tímido ataque dos Ravens comandado pelo assustado calouro QB Joe Flacco, terá pela frente o ascendente e aéreo ataque dos Cardinals, liderado pelo veterano e eficiente QB Kurt Warner e energizado pelo absolutamente impressionante WR Larry Fitzgerald – para mim, barbada como MVP dos playoffs. O camisa 11 foi responsável por 9 recepções, 3 touchdowns e 152 jardas no jogo de hoje – mais do que o resto do time inteiro somado.

Fica a pergunta: quem triunfará em Tampa? Os experientes defensores de Pittsburgh ou os surpreendentes atacantes do Arizona?


Fanfarrão

16/01/2009

flamengo503

Zé Roberto é apresentado no Flamengo e fala em ir à Copa de 2010. Menos, meu caro, bem menos…

O meio-campista Zé Roberto, ex-Botafogo e Schalke 04, foi apresentado hoje na Granja Comary, em Teresópois, local em que o Flamengo realiza sua pré-temporada. Novo dono da camisa 10 e controversa esperança de um novo “maestro” da Gávea, o jogador, quando perguntado qual seria seu principal objetivo para o futuro, soltou a seguinte pérola: fazer parte do elenco brasileiro na Copa da África do Sul, em 2010.

"Eu vou à Copa." Do Brasil, né?

"Eu vou à Copa." Do Brasil, né?

“Eu vou à Copa. É o grande projeto que eu tenho e o objetivo pode ser alcançado, só depende de mim. Esse será o meu grande ano.”

Rindo para não chorar, segue uma série de motivos para classificar tal declaração como pérola:

Zé Roberto, com 28 anos completados em dezembro, despontou para o futebol no Botafogo apenas em 2005, aos 24. Ou seja, longe de ser algum tipo de fenômeno ou craque.

Durante sua passagem pelo alvinegro teve apenas alguns lampejos de ótimo jogador e revezou-se entre bom jogador e jogador comum, chegando a ser afastado por indisciplina em 2007.

Em suas duas experiências na Europa – Benfica em 2001, onde nem sequer atuou, e Schalke em 2008 – ficou longe de mostrar a que veio, marcando apenas um gol em três míseros jogos.

No próprio elenco do Flamengo há opções, a meu ver, mais interessantes que um jogador que não tem uma sequência de jogos há mais de um ano. Em um meio-campo que conta com jogadores como o promissor Aírton, o habilidoso – porém também indisciplinado – Jônatas, o campeão mundial Kléberson e o excelente Ibson – isso sem falar em Marcelinho Paraíba, que também pode jogar por ali – não vejo muito espaço para Zé Roberto no time titular.

Portanto, Zé Roberto, trate de jogar mais e falar – bem – menos. Pra já, aliás.


Bom para todos

16/01/2009

santos5031internacional5021

As iminentes e entrelaçadas transferências de Léo para o Santos e Kléber para o Inter são o típico exemplo de um negócio proveitoso para todas as partes

De volta para encerrar a carreira

De volta para encerrar a carreira

Léo rescindiu com o Benfica e só falta assinar o contrato para ser anunciado oficialmente pelo Santos enquanto Kléber já foi comprado pelo Grupo Sonda por R$ 5 milhões e muito provavelmente será repassado ao Internacional, clube com o qual os investidores detêm ótimas relações.

Excelente negócio para o Santos, que recebeu uma bela grana e “se livrou” de um jogador que, mesmo sendo de seleção, há muito já se mostrava desmotivado depois de três anos no clube.

Excelente negócio para Léo, que após três temporadas dignas em Portugal, volta para o clube no qual se sente em casa para, aos 33 anos, encerrar a carreira com tranquilidade

Injeção de ânimo ao respirar novos ares

Injeção de ânimo ao respirar novos ares

Excelente negócio para Kléber, que deverá ter uma injeção de ânimo num elenco de altíssima qualidade e voltar a exibir seu futebol de refinados cruzamento e visão de jogo demonstrado na sua época de Corinthians e no início no Santos.

Excelente negócio também para o Inter, que não teve que desembolsar um tostão e viu sua carência da última temporada na lateral-esquerda – quando só contava com o originalmente zagueiro Marcão e o sempre desconfiável Gustavo Nery – resolvida com as chegadas do excelente Kléber e do voluntarioso Marcelo Cordeiro.

Falando no Colorado, o capitão e ídolo Edinho deve ter sua ida ao Lecce concretizada amanhã e deverá viajar para a Itália na terça-feira.